quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Reading x Chelsea

data: 15.08.07
local: Reading
resultado: Reading, 1- Chelsea, 2
marcadores: 1-0 (Bikey), 1-1 (Lampard), 1-2 (Drogba)

Um dos jogos grandes da noite, juntamente com a deslocação do Manchester a Portsmouth, revestia-se de muitos motivos de interesse. Desde logo, pelo bom resultado do Reading, na jornada inaugural, em casa do vigente campeão, arrancando um nulo. Era também o regresso de Petr Cech ao local da sua grave lesão, provocada na época anterior pela dureza de Hunt, um irlândes que tem tanto de bom jogador como de temperamento irascível. O Reading, equipa sensação do último campeonato, sem nenhuma estrela no seu plantel, constitui um conjunto lutador, abnegado, um pouco à imagem do Boavista de Jaime Pacheco - para o bem e para o mal.

Nesta curta deslocação - Reading é uma cidade periférica de Londres - Mourinho continuava a contas com uma onda de lesões. Por isso, e pelo jogo em Liverpool, no próximo Domingo, o onze inicial reservava várias surpresas. Paulo Ferreira, finalmente, no seu posto de lateral direito. A dupla de centrais, ainda sem poder contar com Terry, foi constituída por Ricardo Carvalho e Ben-Haim, o israelita chegado esta época a Stamford Bridge. No meio campo, essa zona nevrálgica do terreno, a estreia a titular de Sidwell, ex-jogador da equipa da casa. Finalmente Kalou, jogando a titular, no apoio a Drogba.

O jogo, que não se esperava fácil para os londrinos, foi um pesadelo, na 1ª parte. Dominados em todos os aspectos, a exibição foi naufragando entre o sofrível e o mau. Lampard, uma sombra do jogador de épocas anteriores, arrastava-se em campo, incapaz de remar contra uma equipa trabalhadora, dotada de agressividade e que beneficiou de um falhanço monumental de Cech para chegar ao golo.

Foram uns minutos loucos. Dubarry, o causador da grave lesão de Rooney, em Old Trafford, lesiona-se, numa disputa de bola. O seu substituto, Bikey (ex-jogador do Aves, Leiria e Paços de Ferreira), acabado de entrar, aproveita o abalroamento de Cech a dois colegas de equipa e, com a baliza à sua mercê, marca, na 1ª vez que toca na bola. Logo depois, Ricardo Carvalho ressente-se de um toque e sai lesionado - vida difícil para o embate com o Liverpool, para Mourinho - e de seguida o Reading remata ao poste, gorando-se o 2-0 na recarga.

Chegou-se ao intervalo, com um Chelsea amorfo, sem chama, onde apenas Wright-Philips remava contra a maré, mas incapaz de criar oportunidades de golo.

Bem, aqui abro um parêntesis. Por muitos anos que tenha de futebol, continuo a ficar impressionado com as peripécias do jogo. O Chelsea, que como eu tinha dito não jogou NADA na 1ª parte, chega do intervalo e, em míseros 4 minutos, vira o jogo. Lampard e Drogba - que golão - materializaram num ápice as mudanças operadas pelo Special One. Com Pizarro e Mikel em campo, numa postura mais ofensiva, saindo um defesa - Paulo Ferreira - e um médio amarelado - Sidwell - o Chelsea tomou as rédeas do encontro, criando sobressaltos que até aí tinham estado afastados do último reduto do Reading. Foram várias as oportunidades para aumentar a vantagem, com a tarefa a ficar ainda mais facilitada após a expulsão de Cissé, o ex-boavisteiro que se transferiu este defeso para os ingleses. Apesar da desvantagem no marcador e numérica, o Reading nunca se deu por vencido, beneficiando da intranquilidade de Cech, estranhamente nervoso, com o último minuto a ser impróprio para cardíacos. Num último fôlego, a bola rondou perigosamente a área dos azuis, com o empate à vista nos instantes finais.
----------------------------------------------------------------------------------

3 comentários:

johnny disse...

Grande 2ª parte, com o dedo de Mourinho, transformando a equipa mais onfensiva. Excelentes golos, em especial do Drogba, que continua em grande. E 4 pontinhos de avanço não é de desprezar...

Um abraço,

paulo grave disse...

Vi o caso mal parado ao intervalo, mas aquele inicio de 2ª parte foi de loucos. Escusavam era de ter aquele sofrimento no fim, com os gajos do Reading a parecerem maluquinhos. A comparação com o Boavista é bem feita. É só pancada!

tiago sá disse...

Os cães ladram e a caravana passa. Sem gastar fortunas e sem qualquer tipo de fantasia à excepção de Malouda que de fantasista tem pouco ou nada, o Chelsea vai vencendo os oponentes e já leva 4 importantes pontos de vantagem sobre o Utd.